Alergia a repelentes é desafio na hora de afastar os mosquitos

07/03/2016

O TEMPO

Pele sensível requer atenção redobrada, principalmente no caso de crianças pequenas.

Na tentativa de buscar um alívio para aquela coceira, mas, principalmente, afastar mosquitos tipo pernilongos ou Aedes aegypti, que podem trazer novos incômodos e até doenças como dengue ou zika vírus, os repelentes surgem como uma das medidas mais eficazes, exceto para aquelas pessoas alérgicas ao produto e crianças menores de 2 anos.

A analista de marketing Marcele Ferreira, 20, por exemplo, tem alergia a um conservante presente na fórmula dos repelentes vendidos em farmácias. “Se usar, meus olhos lacrimejam muito, e o produto ainda fere a pele. Todos os meus cosméticos de higiene pessoal e maquiagem devem ser manipulados”, conta.

A alergia a qualquer produto químico depende da concentração dos componentes e da sensibilidade da pele do usuário, segundo o dermatologista Paulo Celso Budri Freire, professor da Faculdade IPEMED de Ciências Médicas.



Unidades: Centro | Madureira | Niterói | Tijuca. Consultas com hora marcada.
Central de Marcação de Consultas: (21) 3515-0808