Anúncios de cigarro eletrônico estimulam o tabagismo na juventude

20/01/2016

PNEUMOBLOG

Cerca de 2,4 milhões de estudantes de ensino fundamental e médio nos Estados Unidos alegaram ser usuários de cigarros eletrônicos, ou e-cigarros, em 2014. A maioria dos e-cigarros contêm nicotina, que causa dependência, pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro e levar ao uso de outros produtos contendo tabaco entre os jovens.

Os anúncios dos e-cigarros têm aumentado rapidamente desde 2011, atraindo muitos jovens para o uso precoce de produtos com tabaco. Cerca de 69% dos alunos do ensino fundamental e médio foram expostos às propagandas de cigarro em lojas de varejo, na internet, em revistas, programas televisivos ou em filmes.

Em 2014, 18 milhões de jovens norte-americanos foram expostos aos anúncios de cigarro. Um em cada 2 jovens de ensino fundamental e médio já entrou em contato com anúncios de cigarro em lojas de varejo. Dois em cada 5 jovens de ensino fundamental e médio viram esse tipo de anúncio na internet.

As empresas de cigarro têm investido pesado em publicidade, passando de US$ 6,4 milhões em 2011 para US$ 115 milhões em 2014. Muitos dos temas utilizados na publicidade de cigarros agora também são usados para anunciar e-cigarros – incluindo sexo, independência e rebelião. Durante o tempo em que os anúncios se alastraram, notou-se também um aumento no uso de cigarros entre os jovens. De 2011 até 2014, o uso dos e-cigarros aumentou de 1 para 4 usuários entre alunos do ensino fundamental e de 2 para 13 usuários entre estudantes do ensino médio.

O que pode ser feito?

O governo federal dos Estados Unidos está apoiando programas estaduais de prevenção e controle para tentar barrar a utilização do tabaco e dos e-cigarros entre os mais jovens. O país também apoia as investigações científicas sobre os seus efeitos na saúde e fatores que contribuem para o uso precoce dos cigarros eletrônicos. A nação norte-americana busca informar a população e procura elaborar uma regulamentação para o uso dos e-cigarros e de outros produtos atualmente não regulamentados, almejando, assim, reduzir as doenças e as mortes causadas pelo uso de tabaco.

Pediatras, enfermeiros e outros profissionais da área da saúde podem perguntar sobre o uso do e-cigarro e aconselhar o jovem sobre os perigos da nicotina. Esses especialistas podem questionar a todos os pacientes se eles usam produtos do tabaco e incentivar aqueles que o fazem a desistir, fornecendo ajuda e informações para que o paciente pare de fumar. É necessário comentar sobre o uso da internet e aconselhar os pais e cuidadores a assumir um papel ativo na decisão de quais sites e mídias os seus filhos podem ver. Os pais e cuidadores podem conversar com os jovens sobre os riscos à saúde por se usar produtos do tabaco, incluindo os e-cigarros.

A comunidade também pode ajudar, financiando programas de prevenção e controle do tabaco e dos cigarros eletrônicos para evitar a utilização do produto entre os jovens. Além disso, deve-se limitar onde e como os produtos de tabaco e e-cigarros são vendidos para reduzir o consumo entre a juventude, bem como a exposição dos anúncios. Isso pode incluir: Exigir a verificação de idade para entrar sites,fazer compras e aceitar entregas de fornecedores de e-cigarro. Restringir o número de lojas que vendem tabaco e quão perto podem das escolas. Exigindo que os e-cigarros sejam vendidos em transações face a face, não na internet. Apoiar os esforços governamentais para implementar uma prevenção do uso de tabaco, incluindo aumento de preços, leis anti fumo abrangentes e campanhas de mídia de alto impacto.



Unidades: Centro | Madureira | Niterói | Tijuca. Consultas com hora marcada.
Central de Marcação de Consultas: (21) 3515-0808