Doença crônica de pele, dermatite atópica pode surgir na infância

10/06/2017

Folha de São Paulo

Uma doença cutânea da infância atrapalha a vida dos pequenos pacientes e de seus familiares. Além disso, o diagnóstico dela tem sido cada vez mais frequente nos últimos anos.

Na dermatite atópica a presença de prurido (coceira) é uma de suas principais características e algumas vezes a aparência das lesões provoca impacto emocional negativo. Ela evolui de forma crônica, em surtos. O caráter alérgico provavelmente é hereditário.

Um estudo publicado na "Revista Paulista de Pediatria" por Amanda Bezerra Campos e colaboradores da Universidade do Estado do Pará, em Belém, relata que, nas últimas três décadas, o número de pacientes com a afecção dobrou ou mesmo triplicou nos países mais desenvolvidos.

No Brasil, a prevalência da dermatite atópica varia em função da faixa etária e da região; no Norte e Nordeste, em crianças de seis e sete anos.

Como o prurido às vezes é intratável e prejudica o sono, o comportamento diurno e a produtividade das crianças (além da interferência emocional e financeira na família), a recomendação aos envolvidos na atenção às crianças é ter informação adequada e conhecimento sobre a enfermidade.

O tratamento é conduzido com a aplicação de medicamentos emolientes (para amaciar a pele seca e dura), corticoides tópicos e antialérgicos orais. É importante a adesão das crianças ao

tratamento e os necessários cuidados para o sucesso terapêutico. Folha de São Paulo - 10/06/2017

Unidades: Centro | Madureira | Niterói | Tijuca. Consultas com hora marcada.
Central de Marcação de Consultas: (21) 3515-0808